Seguradoras
A escolha da seguradora pelo consumidor segurado
Normalmente os executivos de finanças de empresas, indicam as Seguradoras ligadas a bancos com quem mantém negócios, porém, sugerimos solicitar ao seu Corretor de Seguros cotar também as Seguradoras que ele conhece e entenda como capacitadas a suportar e garantir aquele tipo de seguro a ser contratado de acordo com a especialização da mesma.
Pode ocorrer de uma Seguradora ter mais especialização por um determinado tipo de seguro e dispor de melhores condições. A cotação, neste caso, se torna interessante, até para efeito de comparação de custos.
 
Informação Importante
As Seguradoras com especialização em determinados tipos de seguros, geralmente tem melhores condições, preço e atendimento;
Para os grandes riscos (seguros), distribuir o seguro entre várias Seguradoras em forma de cosseguro, assim procedendo, poderá proporcionar uma boa redução no custo do seguro, na medida que diminuí a transferência de excedente ao IRB (Instituto de Resseguros do Brasil);
Verificar quem são os clientes da Seguradora cotada, sua tradição, grupo controlador, sua especialidade e atendimento. O seu Corretor de Seguros pode disponibilizar estas informações.
 
Seguros
 
Princípios Básicos do Seguro

a)- Mutualismo: Em grupo é o suporte coletivo da desdita econômica de um dos componentes (associado).
b)- Cálculo das probabilidades: Estudo atuarial que fornece a taxa adequada a cada seguro.
O Seguro não pode ser usado como veículo de enriquecimento ilícito por qualquer das partes existentes no contrato, porquanto através dele a filosofia é repor o bem sinistrado no estado em que se encontrava imediatamente á ocasião da ocorrência do sinistro.
O contrato de seguro é regido por literatura denominada:
Condições Gerais;
Condições Especiais;
Condições Particulares.
Riscos Cobertos: São definições contratuais de cobertura de "Ocorrência Acidental", são eventos de efetivação e data incertas e independente da vontade das partes contratantes.
Riscos Excluídos: São as definições contratuais de não cobertura de seguro, por fugirem do conceito de "Ocorrência Acidental".
Proposta: Manifesto de interesse de um candidato a obter seguro.
Apólice: Documento contratual pelo qual a Seguradora compromete-se, garantir, por um período de tempo, pessoas, coisas (semoventes) e responsabilidades.
Endosso: Alteração de contrato do Seguro (apólice).
Averbação: Adicional de bens a cobrir, incluídos no contrato de seguro, numa sistemática periódica.
Bilhete de Seguro: Substituto de apólice, somente para DPVAT, Incêndio Residencial, Acidentes Pessoais Viagem.
Importância Segurada: Valor determinado no contrato de seguro como limite máximo de indenização no caso de sinistro, guardadas as particularidades, pode-se atribuir:
a)- Valor de Novo (ou seja, sem depreciação);
b)- Valor Atual (Valor de Novo menos depreciação física real, excetuando-se a depreciação física ou contábil);
c)- Valor a 1º Risco Relativo (percentual optativo relacionado ao valor de Novo ou Atual);
d)- Valor a 1ºRisco Absoluto (relacionado a uma perda máxima provável).

Franquia:
Simples - Sendo o prejuízo superior a franquia estipulada, a indenização será total, sem de- dução de franquia;
Dedutível - Independentemente do prejuízo, a indenização só é devida, quando ultrapassar a franquia que será devidamente deduzida do referido prejuízo.
Objeto do Seguro - Pessoas, coisas e responsabilidades a serem seguradas.
Prêmio - É o custo calculado pelos atuários e cobrados pela Seguradora para assumir riscos e valores determinados.
Taxa - Como via de regra são tarifadas pelos órgãos técnicos para alguns tipos de seguro, e portanto padronizadas em caráter nacional, tornando-se ilegal qualquer redução sem prévia autorização dos órgãos competentes.
Prazo do Seguro - Período de garantia contratual
Sinistro - É a ocorrência acidental danosa causada ás pessoas, coisas, ou caracterização de responsabilidade.
Prejuizo - É o montante financeiro apurado em função da ocorrência do sinistro.

 
Vigência do Seguro
 
Quando Começa a Vigorar o Seguro?
Uma das inovações mais controvertidas no sistema de seguros foi a unificação dos horários de início e término de vigência das apólices através da Circular SUSEP nr. 05 de 18 de janeiro de 1985 que fixa esse horário para as 24 horas dos dias de início e fim de cobertura.
Ora, 24 horas do dia 1º são 0 horas do dia 02, o que significa que, se alguém estipular que o seu seguro comece no dia 1º de janeiro, na realidade sé terá cobertura a partir de 0 horas do dia 02. O dia 1º não está incluído na vigência do seguro. Em caso de renovações, isto não é problemático, já que a cobertura termina ás 24 horas do dia 1º e assim, foram cobertos 365 dias completos.
 
Mas em seguros novos ou aumentos de verbas ou ainda, inclusão de novos bens?
Se alguém, ao comprar um automóvel, solicitar, digamos ás 16 horas, ao seu corretor que faça o seguro, deverá rezar para que nada aconteça até ás 24 horas, porque só a partir daí terá proteção do seguro. Se a fábrica receber ás 10 horas uma partida de mercadorias de grande valor e solicitar por telex, telefone, fax ou E-mail a sua imediata cobertura, terá que torcer para que não haja um incêndio antes das 24 horas ou que este não aconteça antes de 0 horas e 05 minutos do dia seguinte. Para determinados casos, existe uma solução. A compra do carro, que normalmente é feita antes da sua entrega, pode ser comunicada com antecedência, de modo que a cobertura do seguro possa ser solicitada tempestivamente. Quando há aumentos grandes de ativos fixos, estes também podem ser avisados com antecedência: a compra de um equipamento de alto valor não é feita no balcão da loja - existe uma programação para entrega e instalação do equipamento.
Resumindo: É recomendável sempre que possível solicitar cobertura com, pelo menos, 01 (um) dia de antecedência, ou fazer constar da comunicação a data da véspera para fins de início de cobertura.
 
 
Companhias Seguradoras, são as empresas que atuam no mercado de seguros. Funcionam como administradoras dos seguros que lhe são confiados e não podem fazer negócios em outro ramo do comércio ou da indústria.

Sujeitas às normas, instruções e fiscalização da SUSEP, as seguradoras só podem operar nos ramos escolhidos com a devida autorização. Além disso, suas reservas técnicas, referentes aos riscos assumidos, têm também sua constituição regulamentada pela SUSEP.

Em nível de sociedade civil, as companhias são representadas por sindicatos estaduais, reunidos na Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização (Fenaseg).

Companhias de Seguros