Dicas de como cuidar de seu carro
Amortecedores:
– Você precisa de conforto ao dirigir, certo? Os amortecedores de um veículo, além de ter esta função, também garantem dirigibilidade e segurança. Eles são elementos importantes da suspensão e atuam como freio do movimento das molas. São eles os responsáveis por atenuar os impactos na carroceria e manter os pneus sempre em contato com o solo. Segundo o Manual do Proprietário do veículo, a troca é recomendada a cada 40 000 km.

O dono do carro pode estar verificando a cada 5000 km se há vazamento de óleo nos amortecedores. Isso pode ocorrer por causa de fortes impactos, no caso de passar em um buraco em alta velocidade, por exemplo. O vazamento de óleo, além de causar a perda de ação dos amortecedores, danifica outros componentes, como batente, coifas e molas.

- Rodar com o carro sem que os amortecedores estejam nas condições ideais de uso, culmina em gasto maior com manutenção e em grande perigo a usuários. Desgaste irregular e prematuro dos pneus, desconforto em terrenos acidentados, falta de estabilidade, barulhos e perda da eficiência do sistema de frenagem são as conseqüências mais comuns. Em carros que utilizam suspensão do tipo McPherson, se o amortecedor quebrar, a tendência é que a roda desprenda-se. Isso mesmo: o seu carro pode ficar sem a roda no meio do caminho e você perder a vida ou transformar o veículo numa arma fatal.

 
Embreagem:
O que prejudica sua embreagem?
Existem diferentes causas que originam problemas na embreagem, devido particularmente a um uso inadequado do motorista. Veja quais os pontos de maior incidência, assim como algumas dicas que ajudarão a melhorar a utilização e a vida útil da embreagem.

- utilize o pedal da embreagem somente no momento da troca de marcha, quando o motorista descansa o pé sobre o pedal, isto provoca um aquecimento do sistema e um desgaste prematuro dos componentes

- nunca segure o veículo numa rampa utilizando a embreagem como freio, este hábito causa um desgaste excessivo do disco. Nestas situações utilize sempre o freio do veículo

- evite sempre ultrapassar a capacidade de carga especificada pelo fabricante do veículo, porque afetará o funcionamento da embreagem e diminuirá a vida útil da mesma

- evite sempre acionar e desacionar bruscamente a embreagem para aumentar o toque ou alterar a rotação do motor quando se encontrar em uma velocidade compatível

- não inicie bruscamente a marcha, evitando arrancadas bruscas

- nunca saia com o veículo em segunda marcha

-evite reduções bruscas de velocidade, freiando ou desacelerando subitamente o motor.

 
Pedal duro e ruídos
Substituir o conjunto de embreagem não se trata apenas de retirar o platô, disco e rolamento usados e simplesmente colocar outros novos no lugar. Junto da embreagem existem vários componentes que se desgastam simultaneamente e, portanto não devem ser esquecidos.

Problemas de esforço excessivo de pedal e ruídos de acionamento, por exemplo, estão relacionados a componentes que formam o sistema de acionamento da embreagem.
Por esse motivo o aplicador profissional verifica todos os componentes envolvidos e os substitui sempre que necessário.

Fique atento aos principais causadores de pedal de embreagem dura e ruídos de acionamento:

- desgaste ou deformação ao longo do tubo guia (moringa) – o desgaste do tubo poderá gerar o acionamento irregular do rolamento causando ruídos

- desgate nas hastes do garfo de acionamento – num garfo em boas condições de uso, a área de contato com o rolamento deve estar arredondada.

 
Injeção Eletrônica:
– É uma das grandes inovações tecnológicas da década de 90. A injeção eletrônica veio para substituir o velho carburador e agregar mais eficiência ao veículo. A principal função deste equipamento é fazer a mistura de ar e combustível da maneira correta. Uma central eletrônica recebe informações, por meio de sensores, que determina a quantidade correta de ar e de combustível que será injetada no cilindro do motor.

A Manutenção Preventiva deste sistema deve ser feita a cada 20.000 km. Procure por oficinas que possuem treinamento e dispositivos especiais para este tipo de serviço. Os bicos injetores são os elementos que mais precisam de reparos. Uma simples limpeza, que custa em média R$ 250, já garante um bom funcionamento e maior durabilidade. Só para se ter uma idéia, a substituição de um bico injetor, por falta de manutenção, pode custar até mais de R$ 1200, dependendo do veículo. Além de gastar quase cinco vezes mais, apenas pela falta de manutenção preventiva dos bicos, você ainda corre o risco de ter componentes do motor danificados, como cilindros, pistões, anéis, entre outros. Neste caso, a sua conta bancária vai sofrer um grave desfalque. Outra conseqüência é o consumo excessivo de combustível e a possibilidade de o carro lhe deixar na mão.

 
Mangueiras:
- As mangueiras transportam óleo, combustível, ar e água. Elas funcionam como veias e artérias do corpo humano, alimentando todo o funcionamento do motor. Com o decorrer do tempo, se desgastam por causa das altas temperaturas. Elas podem ressecar, rachar ou furar. Fique de olho. Sempre que possível, verifique se há algum tipo de vazão.

Uma mangueira com vazamento pode causar sérias dores de cabeça. Se o problema estiver na mangueira do radiador, o motor pode superaquecer. Se a falha for na mangueira do combustível, corre-se o risco de um incêndio. De acordo com recomendações do fabricante, sempre que uma mangueira apresentar algum tipo de problema, o ideal é haver uma substituição da peça com problema e de todas as outras. É sinal que a vida útil está chegando ao fim. A simples verificação de vazamentos e a troca das mangueiras vão impedir que outros componentes sejam afetados e que você fique na mão, talvez na hora em que mais precisar de seu automóvel.

 
Radiador:
O radiador em si não necessita de nenhuma manutenção periódica, sua substituição deve ser somente em caso de vazamento. Não se recomenda nenhuma lavagem externa, pois isto pode gerar danos na coméia, responsável pela troca térmica.
 
Bateria:
– A bateria é uma fonte de energia para o veículo. Ela complementa a função do alternador, que é o grande responsável pela geração de corrente elétrica necessária para todo o carro. A principal função da bateria é garantir a ignição, pois o alternador só é ativado quando o veículo já está em movimento. Ela também, junto com o regulador de voltagem, avalia e regula a corrente elétrica produzida pelo alternador.

As baterias fabricadas hoje em dia têm vida útil de três anos e não requer manutenção. Mesmo assim, é preciso tomar alguns cuidados. Se o regulador de voltagem ou mesmo o alternador apresentar algum problema, a bateria pode perder carga e ser inutilizada. Portanto, ao menor sinal de alguma pane elétrica, leve o veículo para uma avaliação mais detalhada em uma oficina. Bateria descarregada é sinônimo de carro parado, pois você não vai conseguir dar a partida no veículo. Em casos extremos, o mau funcionamento do alternador pode causar sobrecarga na bateria, fazendo com que ela perca eletrólito – líquido existente dentro da bateria. Isso pode produzir faíscas dentro na bateria, e até ocasionar uma explosão.

A falha de sistemas eletrônicos integrados, como alarme e dispositivos antifurto, é uma outra conseqüência do mau funcionamento da bateria. Sem energia, nenhum deles funciona.

 
Escapamento:
-Se o veículo possuir catalisador, evite fazê-lo pegar no tranco. O combustível ainda não queimado pode se alojar no interior do equipamento, o que aumenta o risco de superaquecimento do motor.
 
Juntas:
– O número é de impressionar. São mais de 100 aplicações de juntas em um carro. Elas são feitas de cortiça com borracha, chapa de aço (junta metálica) e também de chapa metálica revestida com verniz especial. A principal função é vedar fluidos, gases e distribuir uniformemente a temperatura. Não existe um tempo determinado ou quilometragem para que as juntas sejam trocadas ou reparadas. As principais, e que podem comprometer o funcionamento do carro, ficam instaladas no cabeçote do cilindro, nos coletores de admissão e de escape. Como se pode perceber, estão em todos os cantos do carro.

A Manutenção Preventiva acontece por meio de observação sistemática, que pode ser feita por um especialista ou pelo próprio dono do veículo. No caso das juntas dos coletores de admissão e de escape, basta observar se a fumaça está saindo por algum lugar que não seja o cano de descarga. Isso pode ocorrer por conta do desgaste da junta ou de uma possível montagem errada. Caso haja algum vazamento, o veículo perderá potência, aumentará o barulho e consumirá mais combustível com o passar do tempo.

- A junta mais importante de um veículo é a do cabeçote. O problema mais comum ocorre no caso de superaquecimento do motor que ocasiona a queima da própria junta. Uma montagem mal efetuada provocará vazamento de óleo. E se a vazão não for detectada a tempo, o motor pode até fundir, pois trabalhará sem a lubrificação necessária. Por ocasião da queima do componente, a água destinada à refrigeração se mistura com o óleo, o que pode comprometer o bloco do motor, os cilindros, as válvulas e os pistões. O prejuízo, neste caso, será enorme. Se estivermos falando do motor de um carro 1.0, por exemplo, o custo pode chegar a quase 10% de seu valor. Sem falar que você vai perder o dia de trabalho, ficar parado na estrada, gastar mais com guincho e outros aborrecimentos. Portanto, é recomendável sempre verificar se há algum tipo de vazamento de óleo na parte superior do motor. Outra dica é jamais manter o carro em funcionamento no caso de um aquecimento. Espere o motor esfriar. Só depois coloque água para fazê-lo andar ou chame um guincho para levá-lo até a oficina.

 
Motor:
-Mesmo no inverno, não deixe o motor funcionando muito tempo para aquecer. A temperatura ideal é atingida mais facilmente com o carro em movimento. Basta dirigir com suavidade.

-Nas trocas de óleo, jamais coloque o líquido além do nível indicado. O excesso acaba sujando as velas, prejudicando a queima de combustível. O carro vai acabar perdendo potência e consumindo mais combustível.

-Para garantir medição precisa, sempre faça a verificação dos níveis de óleo e água com o motor frio.

-Faça sempre as revisões e trocas de componentes no prazo recomendado pelo fabricante.

-Nunca abra a tampa do reservatório de água com o motor quente. Isso acaba despressurizando todo o sistema, gerando bolhas de ar que podem prejudicar a circulação da água e, em uma situação extrema, levar ao superaquecimento do motor.

-A manutenção do filtro de óleo deve ser feita conforme a recomendação do fabricante do veículo, porém é desejável que a cada troca de óleo se faça também a troca do filtro.

-Recomenda-se trocar o filtro de ar a cada 15 a 20 mil quilômetro, ou conforme orientação do fabricante. Já em locais locais de grande concentração de poeira, esta troca deve ser mais freqüente, uma vez que evita consumo excessivo de combustível e baixo rendimento do motor.

 
Bomba de Combustível:
– É uma das peças mais importantes do veículo, pois sem ela o motor simplesmente não funciona e, é claro, o carro não anda. A bomba de combustível fica alojada dentro do tanque (alguns veículos no passado, utilizaram bombas elétricas fora do tanque) e tem como função, mandar a gasolina ou álcool, por meio de mangueiras, para o motor. Nesse caminho, o combustível passa primeiro por um pré-filtro, que faz parte do conjunto da bomba, e depois pelo filtro de linha (combustível). É aí que mora o perigo. A falta de Manutenção Preventiva desses dois componentes são os principais causadores de problemas na bomba. Por isso, a limpeza periódica do pré-filtro e a troca, conforme especificação do fabricante, do filtro de combustível são fundamentais para garantir uma maior vida útil e um bom funcionamento desta peça. A recomendação é de que a limpeza e substituição dos filtros sejam feitas a cada 15.000 km. Mas este prazo pode variar conforme o local onde o veículo transita. Em grandes centros urbanos, com grande concentração de poluentes, ou em estradas de terra, o prazo de validade dos filtros pode reduzir consideravelmente.
Outro fator importante é a qualidade do combustível utilizado. Evite abastecer o carro em locais duvidosos. Para não comprar gasolina adulterada. O uso indevido do álcool em veículos movidos originalmente a gasolina também é prejudicial. Além disso, os veículos que foram convertidos a GNV não devem andar com o tanque vazio. Isso prejudica o funcionamento da bomba e reduz a sua vida útil. A falta de uma manutenção periódica compromete a ação da bomba, ocasionado perda de potência, falha em retomadas de velocidade, dificuldade na partida e até mesmo a parada inesperada do veículo.
 
Câmbio:
Verifique o nível do óleo do câmbio a cada 30.000 km. Alguns modelos não necessitam troca (Consulte o manual do seu veículo).
Evite trancos durante as trocas de marchas, você pode estragar os anéis sincronizados e quebrar alguma engrenagem , e reparo no câmbio custa caro.
Não use o pedal da embreagem como apoio para o pé, se fizer isso a vida útil da embreagem estará comprometida.
A Frota Vento selecionou alguns ítens para manutenção preventiva do veículo, aumentando assim a vida útil do seu carro. Seguindos estas recomendações seu veículo estará sempre em perfeito funcionamento.
Dicas & Toques